Para Distrair

Um pomar em Mafagundes


E foi em Mafagundes interior de Procanopólis que essa história começou, numa terra onde se comia apenas frutas e vegetais plantados pelos próprios moradores. Quem começou a narrar os acontecimentos foi o Sr. Euclides Macieira de 88 anos , ele tinha um imenso pomar em sua casa. Sr. Euclides conta a seguinte história:

Pereira era um jovem que todo fim de semana ia para o único bar de Mafagunde, o bar do Sr. Figueira. Lá ele encontrava com os amigos e assistia aos jogos do Palmeiras, seu time do coração. Torcedor apaixonado não perdia um jogo do time. Mas além de assistir aos jogos Pereira tinha uma outra motivação para ir ao bar. Ele era completamente apaixonado por Amelia Moreira filha do Sr Figueira, um homem grosserão e que causava medo nos moradores da cidade, por andar sempre armado.

Pereira vivia trocando olhares com a Moreira que morria de medo de seu pai ver. Os amigos do rapaz diziam para ele desistir, por que Amélia não era mulher para ele. Ele era plebeu e o pai da moça nunca admitiria o namoro. Mas o jovem nao desistiu e um dia ao pedir a çaideira tomou coragem e entregou a Amélia um bilhete para se encontrarem no parque das Mangabeiras as 20:00 da noite. A moça muito corajosa foi ao encontro.

E assim foi durante um mês, mas a história do encontro foi se espalhando pela cidade. As mexiriqueiras foram contando e aumentando a tal história. E não deu outra a história chegou ao ouvido do Sr. Figueira que ficou muito nervoso e saiu dizendo que ia matar Pereira, o rapaz por sua vez chamou a moça para fugirem para outra cidade.

Mas antes que os dois pudessem se encontrar o tempo fechou e foi como se São Pedro tivesse aberto uma mangueira. E em meio a muita chuva o pai da jovem encontrou o casal junto. Desesperado Pereira começa a correr, mas não teve jeito o Sr. Figueira começo a atirar e toma teiro, não teve jeito o Pereira mesmo tentando resistir morreu. E a Moreira também morreu de tristeza. Sr. Pereira morreu de velhice, o parque das Mangabeiras se acabou, as mexiriqueiras se mudaram para fofocar em outra cidade, a mangueira que São Pedro abriu passou tempos sem funcionar, a çaideira sem o Pereira já não era mais a mesma e aquela foi a única vez que alguém toma teiro por ali.

E no final só sobraram as maças no pomar do Sr. Euclides Macieira.

Natália Oliveira

1 comentários:

João Marcelo disse...

Meu Deus como assim. Você teve, ou melhro tem o dom total. Esse texto ficou perfeito. Uma narrativa que me vez sentir na história. Conduziu muito bem até o final. MUITO BOM. Meus parabéns.

Copyright @ Centopéia | Floral Day theme designed by SimplyWP | Bloggerized by GirlyBlogger