São tempos difíceis para os sonhadores


As nuvens dançavam em um céu que parecia mais azul que o de costume. Um arco íris imenso me lembrava o tempo dos ursinhos carinhosos e o sol, reluzente, me fazia enxergar as cores do mundo. Nas ruas pessoas pintavam os muros e as calçadas com as cores do Almodovar. Muitos pedestres caminhavam calmamente, volta e meia aconteciam uns abraços surpresa. Os carros andavam de forma a combinar suas cores. Não haviam sinais para pedestres, porque os carros os esperavam atravessar. Logo cedinho foi servido um café comunitário, capuccino com torradas e geleia de goiaba. Nos muros também haviam pessoas escrevendo poesias, frases de alegria, de amor, de carinho e etc. Ao meio dia a praça sete recebeu a maior panela do mundo com uma macarronada onde as pessoas podiam nadar e comer. Sucos de vários sabores e cores e uma deliciosa torta de morango como sobremesa foram servidaos em uma imensa mesa improvisa com madeira e uma toalha xadrez. As árvores floreciam por toda parte, ainda que não fosse primavera. Ao entardecer, bandas espalhadas por toda a cidade tocavam a trilha sonora do filme O Fabuloso Destino de Amelie Poulain. Era unissono pela cidade inteira. Peças de teatro, mágicos e artistas de rua em geral animavam os caminhos. Bem a tardinha o sol vai dando seu adeus e vem a lua compor a noite. As luzes da cidade se acendem, coloridas ainda Almodovar. Pela cidade várias torres enormes que as pessoas subiam para enxergam todo o seu colorido. Aqueles pontinhos reluzentes abduziam os olhares atentos. No frio pavoroso, muito chocolate quente para todos. E as casas, todas sem muros, iam se completando com seus moradores. Os quartos continham abajures, endredons, almofadas, tudo muito colorido. Chegando ao fim do dia, as pessoas encontraram um acalanto, recostando e encaixando perfeitamente suas cabeças em seus travesseiros fofinhos.

Mas são tempos difíceis para os sonhadores.

5 comentários:

Marcos Medeiros Raimundo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Medeiros Raimundo disse...

Ah, ainda faltam as cores de Almodovar.

=D

Cerpentina disse...

Assista algum filme do Almodovar...rsrs Indico o "Tudo sobre minha mãe" é muito bom. E vai ver que as cores dele são diferentes e lindas.

João Killer disse...

Bem, estava devendo uma passada aqui. Pois bem, aqui estou. Nem preciso falar que adorei a foto e principalmente o texto. Viajo e vou longe quando leio os seus textos, como já lhe disse, não sei como uma pessoa consegue ver tanta pureza no ser humano, tendo plena consciência de quem verdadeiramente ele é. E o mais incrível é que quando leio os seus textos até eu consigo ver esse outro ser humano. Bem mais humano. Adorei o texto. Realmente seria perfeito andar na rua ao som de Amélie. Nadar em uma panela de macarronada seria algo muito prazeroso. Excelente texto.

Nayara Malta disse...

To tentando lembrar ainda qual a música onde ouvi Cores de almodovar...

Copyright @ Centopéia | Floral Day theme designed by SimplyWP | Bloggerized by GirlyBlogger