Não tem título mesmo, nunca tem.

Aqueles cachinhos não combinavam muito com o terno. Eu já o tinha visto algumas vezes. Um oi aqui, um tchau acolá, mas nunca haviamos conversado. De repente, ele senta na mesa se vira para mim e a primeira coisa que diz é: - "Eu li seu blog". Nessa hora todos da mesa se calam e olham para mim. Já completamente desconcertada pergunto espantada: - Meu blog? E ele responde: "- Sim, seu blog, que por sinal eu gostei muito." Meio sem saber o que dizer, agradeçi, sem jeito.
A primeira imprensão que tive dele não foi lá essas coisas. No dia que nós conhecemos o alcool tinha roubado ele. E eu só enxerguei um moço frio, louco e que não liga pra mais nada além do seu umbigo. Como sempre minhas primeiras imprensões estavam erradas. Quando ele falou do blog, foi impossivel não reaver meus conceitos. Todos que estavam na mesa eram meus amigos, mas ninguém sequer sabia da existência do meu blog.
Quando começamos a conversar eu fui vendo um outro moço, descobri que a tal loucura era mais intensidade e que provavelmente ele olhasse muito mais o mundo ao seu redor do que eu imaginava. Seus olhos saem fotografando detalhes da vida, pequenas simplicidades. As vezes suas percepções me assustam, me encantam e até me fazem rir. Como no dia em que ele disse que apesar de ser timida eu tenho 444 amigos no orkut.
Do mesmo jeito que ele seguia meu blog eu comecei a seguir o dele e ele começou a postar mais. Ele diz que meu blog foi um incentivo para o dele e eu me senti imensamente feliz. Ele diz gostar do que eu escrevo, pois eu o aviso que gosto do que você escreve. É engraçado ver como alguém pode ser tão igual e tão diferente de você ao mesmo tempo. Somos dois contadores de história. Ele um pouco aflito e eu calma demais. Ele sai querendo viver tudo e eu por vezes não vivo nada. Por mim teriamos 12 horas de sono, mas ele acha que 8 é suficiente.
Agora ele vai contar carneirinhos até o sol nascer. E eu deixo aqui esse texto em retribuição ao texto de Lorenzo, um leitor surpresa assíduo. Ele não tem título porque sempre me provoca risos a falta de títulos nos posts dele. Tá ai, espero que você goste do jeito que contei esssa história. Que daqui a 10 anos eu e você escrevamos novos posts relembrando esses. Que eu possa rir e me encantar muito com suas hitórias. Dedicado a um amigo.

4 comentários:

ana sandim disse...

"É engraçado ver como alguém pode ser tão igual e tão diferente de você ao mesmo tempo. Somos dois contadores de história. Ele um pouco aflito e eu calma demais. Ele sai querendo viver tudo e eu por vezes não vivo nada. Por mim teriamos 12 horas de sono, mas ele acha que 8 é suficiente." Este é o meu comentário... as palavras que eu gostaria de usar.. era abra os olhos e veja.. e foi exatamente o que vc fez.

Hélio Monteiro disse...

Estou furiosamente enciumado! Tudo bem tire o furiosamente que já aprendi a lidar com essas situações! O que mais poderia dizer... rs.

Natália Oliveira disse...

Ciumentinho você... hahahaha Pode deixar que um dia eu vou escrever um texto pra vc. Todinho só pra vc =] Você vai inté chorar...rsrs

João Killer disse...

Gostoso ler textos de pessoas falando de outras pessoas com o olhar de fora! As vezes o titulo é desprezível quando o texto diz por si só!

Copyright @ Centopéia | Floral Day theme designed by SimplyWP | Bloggerized by GirlyBlogger